Automação é aplicada nas tarefas repetitivas da conciliação bancária

Automação é aplicada nas tarefas repetitivas da conciliação bancária

Empresas ganham em produtividade, eficiência e agilidade; tempo gasto em cada conciliação cai de 20 para 2 minutos

Os robôs podem ser facilmente programados para desempenhar tarefas tediosas, repetitivas e manuais (preenchimento de formulários e atualização de planilhas, por exemplo), aumentando a produtividade e permitindo a realocação de recursos, principalmente para funções de maior complexidade cognitiva, como criação e análise.

A consultoria Forrester estima que daqui a dois anos, o mercado de RPA vai chegar a US$ 2,9 bilhões (em 2016, era de apenas US$ 250 milhões), enquanto a Deloitte afirma em seu relatório que 78% das empresas têm planos de investir em soluções robóticas nos próximos três anos. Se essa tendência continuar, garante a empresa, em cinco anos a adoção será universal.

A implantação do RPA Financeiro começa pela busca por conhecimento sobre o tema, e com a aquisição da solução de RPA para manter a operação dentro de casa. 

Começamos com os processos de conciliação bancária

Para quem não está familiarizado com o termo, é o modo de controle administrativo e contábil de saldos em dinheiro de várias contas bancárias. A conciliação ao final faz a correspondência desses saldos no livro Razão e no Livro Diário e aponta divergências em um relatório consolidado. Para corrigir os erros e as ocorrências anormais apontadas nessa correspondência é feita uma análise contábil e, se necessário, uma investigação mais aprofundada e urgente, uma auditoria.

As empresas optam por automatizar a primeira etapa da conciliação – justamente porque tem por padrão uma rotina diária de processos repetitivos e simultâneos. E mantém, no entanto, a intervenção humana na análise contábil e na auditoria. Optando por encaixar o robô na camada de fundação, na conexão com as plataformas bancárias, coleta e guarda dos dados, processamento e tratamento das informações, encaminhamento das operações, integração com o ERP, conciliação financeira e apuração do resultado.

Em alguns casos, os colaboradores levam até 20 minutos para executar tarefas de conciliações de uma única conta, levando em média 4 horas diárias para conciliar todas as contas, um trabalho altamente manual e repetitivo. 

Em um mês, o robô já está apto a realizar cerca de 90% das operações sozinho. O amadurecimento segue até o ponto em que as pessoas que faziam todo o processo de conciliação bancária passaram a receber o relatório concluído já dentro do ERP e passaram a se dedicar à análise dos dados trazidos e aos pontos de atenção apontados. Ou seja, o capital humano passou a cuidar da parte analítica de forma mais produtiva e assertiva e em um tempo muito menor do que o esperado pelos clientes.

Como resultado da implantação do RPA no departamento financeiro, as empresas conseguem reduzir o tempo nas atividades repetitivas de uma única conciliação de 20 para 2 minutos. Além da redução do tempo no processamento dessas informações, a empresa ganha maior eficiência e agilidade no processo, diminuiu a quantidade de erros, aumenta a precisão, produtividade e segurança.

Resultado

Com os processos financeiros automatizados a empresa visualiza o desenvolvimento de mais scripts operacionais que podem ser implantados nas áreas da controladoria em geral, dando sequência ao fluxo de automação.

Compartilhe:

Comentários

Deixe uma resposta